29.6 C
Tamboré
terça-feira, 23 abril 2024
Home Acontece Barueri fica entre as melhores em estudo sobre qualidade de vida no Estado

Barueri fica entre as melhores em estudo sobre qualidade de vida no Estado

0
Barueri fica entre as melhores em estudo sobre qualidade de vida no Estado
No estudo, o município se destacou nos indicadores Finanças Públicas e Economia (Foto: Divulgação Secom/Barueri)

Barueri foi considerada a 15ª cidade com a melhor qualidade de vida do Estado de São Paulo. A informação é de um estudo técnico do Núcleo de Estudos das Cidades (NEC), grupo constituído por professores da USP, UFSCAR e FATEC, que foi divulgado recentemente. A pesquisa avaliou 41 municípios do Estado com mais de 200 mil habitantes em diferentes indicadores.

De acordo com a pesquisa, Barueri atingiu uma nota média global de 7,18 na classificação geral. Jundiaí foi a cidade que angariou o primeiro lugar no ranking, com nota 8,91, seguido por Indaiatuba na segunda posição (8,77) e Piracicaba em terceiro (8,56).

Já em relação aos sete indicadores avaliados no estudo técnico, o município barueriense teve destaque em dois deles. No quesito Finanças Públicas, a cidade conquistou o primeiro lugar na classificação geral. Esse índice é avaliado com base na capacidade e sustentabilidade econômico-financeira do município e considera-se a média aritmética dos dois parâmetros.

Em Economia, Barueri ficou na segunda posição, atrás apenas de Jundiaí. O estudo analisou o PIB per capita, valor médio do salário formal, porcentagem da população ocupada, indicador riqueza do Índice Paulista de Responsabilidade Social (IPRS) e taxa de motorização.

Cioeste
Em um recorte com os municípios que compõem o Consórcio Intermunicipal da Região Oeste (Cioeste) e que foram considerados no estudo, Barueri seguiu com o melhor resultado em relação a qualidade de vida.

Cotia apareceu na sequência, em que na classificação geral da pesquisa atingiu a 28º posição com uma nota 5,68. Em seguida vem Osasco no 31ª lugar e nota 5,41. Carapicuíba e Itapevi aparecem em último, ficando em 37º e 38º, respectivamente, na classificação geral do estudo.